​“Eu sabia que meu estudo não seria em vão, minha hora chegaria”, disse Maria Graciele. Veja a entrevista com a aprovada em 1º lugar para o TRE-PI

Dificuldades, desânimo, ter que conciliar estudos e trabalho, problemas pessoais, crises de ansiedade. Parece até sua vida, não é mesmo. Mas não pense que somente você passa por isso, que esses percalços são exclusividades de sua trajetória. Esse cenário também fez parte da vida de Maria Graciele Silveira, durante o período em que ela esteve na preparação para concursos públicos. O resultado disso tudo? Ela foi aprovada em PRIMEIRO LUGAR no último concurso do TRE-PI, realizado no dia 31 de janeiro de 2016, e personifica bem um provérbio inglês que diz que “onde há vontade, há caminho”.

E não tem fórmula mágica mesmo. Foi com muita força de vontade que Maria Graciele construiu seu caminho rumo ao tão sonhado cargo público. Ela, que é de Teresina-PI, tem apenas 24 de idade e está prestes a concluir a graduação em Direito, já está em exercício no TRE-PI, onde exerce suas funções como técnico-administrativo do órgão na cidade de Inhuma, interior do Piauí. O processo de mudança para outra cidade foi tranquilo, já está adaptada, mas nos relatou que sente falta de um cinema.

Até chegar onde está foram não aprovações, resultados ruins, erros, acertos e persistência. “A cada concurso um degrau alcançado. Embora minha classificação variasse muito, eu sabia que meu estudo não seria em vão, minha hora chegaria”, relata Graciele. E chegou! Mas ela já avisou que não vai parar por aí. “Tenho sonhos com Ministério Público, mas sei que será uma longa jornada”, declara.

E como um bom exemplo é um dos fatores que nos motiva a alcançar algum objetivo, conversamos com Maria Graciele que nos contou como foram os seus anos de estudos para concursos públicos, a sua organização, as formas de estudar, técnicas, como conseguiu conciliar estudos e trabalho, onde encontrou motivação e como superou as dificuldades.

Confira abaixo a entrevista completa.

O serviço público sempre esteve em seus planos? Quando descobriu que queria ser servidora pública?

O serviço público sempre esteve em meus planos desde o ensino médio. Aos 17 anos fiz meu primeiro concurso, que foi para Agente de Saúde. Ao completar 18 anos assumi e o exerci até maio de 2016, quando fui chamada em outro concurso da Câmara Municipal da minha cidade.

Tem pais ou outros familiares próximos que são concursados assim como você? Eles te incentivaram e apoiaram nessa caminhada?

Meu grande exemplo foi um tio que tive. Batalhou muito, estudou bastante e passou pela ESPCEX. Minha infância foi admirando sua força, sua inteligência, sua garra. Ele incentivava muito todos os sobrinhos. Embora tenha falecido muito cedo, sei que ele estaria orgulhoso de mim. Mas todos da minha família me incentivaram. Lembro o dia que meus pais fizeram surpresa para mim, comprando uma cadeira confortável para eu estudar (na época era para o vestibular). A prioridade na minha casa sempre foi educação.

Quantos concursos já fez e como foi o resultado neles?

Fiz vários concursos para TRE’s. O primeiro que fiz foi TRE-MG. Depois TRE-MA, TRE- SE, TRE- PB. Entre os TRE’S me aventurei em um concurso de TJ e, por fim, TRE-PI. Em alguns fui muito mal (TRE-MA, TRE-PB), em outros consegui uma classificação mediana. A cada concurso um degrau alcançado e, embora minha classificação variasse muito, eu sabia que meu estudo não seria em vão, minha hora chegaria. Entre mortos e feridos aprendi muitas lições, dentre elas não desanimar se você não foi bem, mesmo que seja normal o desânimo, afinal, somos humanos. Outra lição foi que conhecer a banca às vezes é mais importante que conhecer todo o conteúdo do edital. Fazer muitas questões é fundamental para um bom desempenho. Anotações servem para serem revisadas periodicamente, ou aparecerá uma questão sobre um assunto que você já viu, já estudou, mas não vai lembrar.

Durante seus estudos para o TRE-PI, dedicava-se inteiramente aos estudos ou você estudava e trabalhava? Se sim, como conciliava essas duas rotinas?

Eu trabalhava e fazia a graduação. Para conciliar descobri minutos preciosos entre uma tarefa e outra. Depois do trabalho, entre uma aula e outra, na hora do almoço, antes de dormir, a caminho da universidade, finais de semana...

Sempre manteve o foco apenas no TRE PI ou teve outros focos?

Meu foco foi TRE, pois me identifiquei com Direito Eleitoral. Mas fiz outros concursos. Aprendi que quanto mais, melhor. Fazer muitos concursos é essencial para adquirir experiência. Treinar seu tempo, testar seu emocional. Não importa se você não vai passar. Não tenha medo do que as pessoas vão pensar se você não passar. Você não deve explicações a ninguém. “Concurso se faz até passar.”

Há quanto tempo estuda para concurso? Por quanto tempo se preparou especificamente para o TRE PI?

Decidi estudar para concurso em dezembro de 2014 (preparação para TRE-MG). Desde então foi uma jornada intensiva em concursos do TRE. Posso dizer que minha preparação para o TRE-PI começou nesse momento. Muita coisa me serviu.

Como se organizou nos estudos, como era seu planejamento? Quantas dias da semana e quantas horas por dia estudava?

Estudava todos os dias, mas não posso dizer quantas horas porque eu não contava. Mais importante que tempo, sempre foi qualidade. Eu tinha trabalho e curso, não podia abrir mão de nenhum dos dois. Arranjei-me como deu. Mas procurei fazer um check-list do assunto do edital e programar dias da semana para disciplinas específicas.

Como foi sua preparação após o edital?

Pedi férias do trabalho um mês antes e me dediquei aos assuntos que a banca mais cobrava e a resolver questões de todas as disciplinas.

Quais os tipos de materiais que utilizava (livros, videoaulas, aulas presenciais, a “lei seca”....) e quais as vantagens e desvantagens deles? Como fazia para escolhê-los?

Usei de tudo um pouco. Videoaula, PDF, lei seca, áudio. A situação que escolhia o material da vez. Se eu estava dirigindo, usava áudio, se estava em casa, videoaula, se estava na biblioteca, lei seca, livros, anotações. Minha meta era não desperdiçar tempo. Meu conselho: use de tudo um pouco e veja o que mais te satisfaz. Eu adorava algumas videoaulas e PDFs para umas disciplinas. Para outras preferia ler a letra da lei. Em Direito Eleitoral, por exemplo, impossível ler a letra seca da lei sem orientação. Você vai ler errado, vai ler artigo revogado e aprender o que já não existe.

Como conciliava estudos e vida social? Você precisou abrir mão de tudo, inclusive de redes sociais?

Não. Usei as redes sociais a meu favor. Grupos de estudo no whats, grupos de estudo no facebook ajudam muito. Quanto à vida social, sempre fui muito caseira, isso não foi um sacrifício. Meu namorado estudava comigo, então nosso programinha a noite era responder questões ou ler juntos alguma coisa. Ficava leve, ficava fácil. E quando ficávamos cansados, víamos uma comédia, um seriado para descontrair.

Quais foram as suas maiores dificuldades na preparação em si e como conseguiu superá-las?

Enfrentei um problema pessoal, meus pais se separaram, tive crise do pânico. Estanquei. Estudar parou de fazer sentido por algum tempo, e sei que muitas pessoas podem estar passando por isso também. A essas pessoas eu digo: eu passei por isso e superei, você também pode. Primeiro, procure ajuda de um profissional, não relute em procurar ajuda. Depois, busque ajuda de quem te ama. E por fim, faça uma autoavaliação de sua vida, seu futuro. Se você não está bem financeiramente ou pessoalmente no seu emprego, se você quer mais, sem passar por cima de ninguém, só tem um jeito de melhorar: estudando. Eu tive uma motivação que moveu montanhas: mudar a vida da minha mãe. Você também precisa encontrar a sua.

Quanto tempo levou do resultado final até sua nomeação? Após ter assumido o cargo, preferiu descansar, aproveitar a vida de concursada ou já voltou a estudar novamente?

Demorou bastante. Por volta de 6 meses. A gente sofre até a posse. Depois da posse, ainda não descansei, nem voltei a estudar para concurso. No momento estou me dedicando ao TCC.

Pensa em fazer outros concursos? Qual ou quais?

Próximo ano quero voltar ao ritmo de estudo. Voltar a me planejar e estudar novamente para o concurso que aparecer. Tenho sonhos com Ministério Público, mas sei que será uma longa jornada.

Voltando a estudar para outro concurso, o que manteria na preparação que teve para o TRE PI e o que mudaria? Quais foram os seus maiores acertos e erros?

Manteria minha forma de estudar aproveitando todos os minutos e tentaria ser mais organizada com cronogramas. Errei quando parei por um tempo, mas sou humana, e acertei por ter retornado aos estudos com gás e sem encarar como um trabalho árduo.

Tudo valeu a pena? Qual foi a sua maior conquista após ter sido aprovada e assumido o cargo?

“Tudo vale a pena se a alma não é pequena.” Minha maior conquista/desafio foi morar sozinha, distante de minha cidade, família, amigos, namorado, sem ter recaídas quanto às crises de ansiedade.

Quais os conselhos de preparação e qual mensagem que você deixa para quem está na caminhada rumo à aprovação e que almeja conquistar o tão sonhado cargo público?

Estude com prazer. Procure sua motivação certa e cole na sua parede. Faça uma atividade física, nem que seja uma caminhada. Cultive sua espiritualidade. Você precisa estar bem mental e fisicamente. Se precisar, busque ajuda. Procure pessoas que tenham o mesmo objetivo que você e se inspire nelas. Se conheça. Não importa como você estuda, mas se você está aprendendo. E conheça a banca. Faça muitas questões. E tente até passar. Eu errei várias vezes antes de acertar. E vou errar ainda muitas vezes até alcançar meu sonho, mas não vou desistir.



CONHEÇA ALGUNS CURSOS QUE PODEM AJUDAR VOCÊ DURANTE SUA PREPARAÇÃO:

 

   

Veja também

Deixe seu comentário