Saiba como prever o que cairá na prova

No meio daquele dia intenso de estudo, você para e pensa “como eu gostaria de prever o que cairá na prova”. Sim, mas isso é possível! Bola de cristal? Cartomante? Mágica? Um oráculo?

Mais do que estudar bastante, ter um bom planejamento, organização, disciplina e dedicação, sabemos bem que a aprovação requer habilidade para fazer prova, maturidade para saber o estilo da banca e pragmatismo. E isso tudo são fatores que levam você a praticamente saber o que cairá na prova que, junto com seu estudo diário, tem muito a ser um grande diferencial nesse caminho longo e bastante concorrido.

Prever as questões faz com que você direcione seu estudo de forma estratégica, ajuda a manter o foco, otimiza seu tempo. Diversas vezes, por exemplo, durante seus estudos, com edital lançado e correndo contra o tempo, você lê um conteúdo todo e esse mesmo é um daqueles que cai no máximo uma questão. Outro, bem mais importante e que sempre é cobrado de forma mais constante e complexa, você não dedicou-se tanto ou dedicou-se da mesma forma que aquele em que pedia apenas uma revisão e resolução de questões. Coisas assim dificilmente acontecem quando se tem estratégia adequada de estudo, conseguida por meio de senso de observação e de técnicas que ajudam a saber aquilo que tem a maior probabilidade de ser cobrado em sua prova.

Nesse sentido, prever as questões é uma atividade inteligente para ser inserida em sua preparação. E como conseguir isso? Pense como a banca! Mas como pensar assim? Trouxemos hoje algumas técnicas que farão você descobrir as probabilidades do que será cobrado no dia da prova de seu concurso.

#Provas anteriores

Prever o que cairá no concurso requer, primeiramente, que você, antes de realmente fazer seu planejamento, quadro de horário e comece a estudar, veja as provas da banca que é a organizadora do seu concurso, não só do seu cargo, como de cargos diferentes, mas que foram realizadas recentemente. Se ainda não foi divulgada, veja as provas anteriores do cargo do qual vai prestar.

Faça essas provas antes mesmo de começar a estudar, tanto para saber como está seu nível de conhecimento, como para saber o que mais se cobrou em todas elas, como foi realocado e distribuído o conteúdo, a forma que foram feitas as perguntas, as assertivas, o que de ligação com a atualidade teve. Anote tudo isso e, a partir de então, trace sua estratégia de estudo em cima dos resultados que obteve.

#Editais passados e o atual

Assim como provas, veja todos os detalhes do último edital do concurso. Se o edital saiu, compare-o com o anterior, veja o que continua e o que foi acrescentado de novidade e foque nisso, pois se algo novo apareceu, há a grande probabilidade disso ser cobrado no concurso.

Juntamente com a resolução de provas anteriores, você encontrará um padrão da banca examinadora e, a partir disso, compare-o com o conteúdo programático, identifique a relação entre o que o edital pediu e o que a banca tem cobrado nas provas.

Ao fazer essa comparação do sistematizando o edital com provas anteriores, você verifica que um assunto tem sido mais cobrado do que o outro e, dessa forma, foca de forma mais profunda nesse mais cobrado, já que a chance dele cair na prova é maior.

#Ligação com a realidade

Muitas bancas elaboram as questões fazendo relações com a atualidade, tanto do que se passa na sua cidade, no seu estado, no país, a depender do tipo de concurso que prestará, como da realidade do órgão e do cargo que você quer ingressar.

Portanto, leia jornais, revistas, artigos para saber o que tem acontecido no mundo, e também informe-se sobre as funções do seu cargo, sobre o que o órgão tem feito. Certamente, muitas questões de Direito Eleitoral, por exemplo, poderão ser cobradas levando em consideração o que mais se tem associado a vida real, a prática com as leis.

#Entenda a jurisprudência

Jurisprudência nada mais é que o entendimento de um tribunal ou juiz em relação a determinado assunto. Algumas vezes há nela divergências entre teóricos, especialistas, professores. E então, o que fazer? Seguir o posicionamento da banca organizadora, claro. Faça questões do assunto, aprenda qual é o posicionamento da banca e marque na sua prova.

Convém ressaltar que questões assim costumam ser cobradas, já que vão testar bem, tanto o seu nível de conteúdo e atualidade, como a sua familiaridade com a banca. Jurisprudência é algo que tende a ser um bom filtro na concorrência.

#Questões e mais questões

Prever o que vai cair na prova é, mais do que tudo, resolver o maior número de questões possível. Mas não é só marcar o X na alternativa correta. Observe como a questão foi elaborada, as expressões e palavras utilizadas, o que a banca quis avaliar ao colocar aquela questão, se priorizou mais a objetividade ou a subjetividade, quais e quantas tiveram relação com assuntos do dia a dia.

Resolva e anote tudo isso em uma planilha ou no caderno. Anote também neles, assim que for resolvendo as questões, a quantidade realizada, a porcentagem de erro e acerto, e a divisão por temas, por assunto, com o número de questões que abordaram eles. Aquelas mais cobradas, ou que errou mais, dê mais atenção na hora das revisões.

Para ajudar ainda mais você, veja aqui o nosso GUIA COMPLETO DE QUESTÕES.

#Saiba estudar leis

Seja a banca que cobra a lei seca ou a que cobra a lei de forma contextualizada, ler a letra da lei deve estar no seu planejamento de estudos. E sabemos que são muitas a serem cobradas, muitos parágrafos, artigos, incisos, atualizações, revogações.

Aprender todos os artigos de tantas leis extensas é quase humanamente impossível. Por isso, para saber o que mais se cobra em torno delas, procure questões específicas da lei a ser estudada. Em seguida, vá até a lei e procure a resposta. Ao encontrá-la, destaque com o marca texto, anote ao lado a banca, o ano da questão e com que frequência essa parte da lei foi cobrada. E faça isso com o maior número de questões até ter sua lei impressa destacada com o que mais é cobrado.

E então, já aplica algumas dessas técnicas? Esperamos que elas possam ajudá-los(as) a dar um norte para seus estudos. Claro que elas não substituem as leituras, videoaulas, horas estudando, disciplina, dedicação, planejamento, são complementos que simplificam a sua preparação e diferenciais naquele dia ansioso e nervoso da prova. E, sem dúvida, ajudam você a obter estratégia, a saber melhor o que priorizar, ajudam você a saber fazer prova e ter conhecimento mais detalhado da linha de raciocínio e padrão que a banca segue. Sabendo tudo isso, os seus estudos tornam-se algo menos árduo e complicado e sua aprovação um objetivo mais próximo. 

Veja também

Deixe seu comentário