Veja 07 dicas de memorização no estudo para concursos públicos

Um estudo de 8 horas por dia, muitas teorias, questões e revisões. Pronto! Agora é só esperar o dia da prova, que está próximo, e aplicar tudo o que aprendeu. Espere! Você lembra das licenças que não podem ser concedidas a servidor em estágio probatório? Não? “Eu estudei tanto e como não lembro?!”, deve ter se perguntado. Calma! Esse esquecimento é comum e pode ser resultado de nervosismo, ansiedade. Mas o que você talvez não saiba é que, na maioria das vezes, isso é resultado da forma como você estudou, do que utilizou para aprender de fato o conteúdo.

É desafiador estudar para concursos públicos que, além de cada vez mais concorridos, têm vindo com editais bem extensos, com muito conteúdo. Para que possamos assimilar tantos assuntos é preciso que se tenha um estudo cada vez mais eficiente. Mais do que seguir um planejamento e estudar bastante, é necessário ter estratégias e utilizar algumas técnicas de memorização que façam com que até o dia da prova você tenha realmente assimilado o conteúdo e não corra o risco de esquecer o que estudou durante vários meses.

Em matéria para a editoria de ciência do site Terra, o pesquisador Robert Bjork, do departamento de Psicologia da University of California, Los Angeles (UCLA), nos Estados Unidos, declarou que “as informações são armazenadas na memória quando relacionadas com o que já sabemos e que recuperar memórias é um instrumento de estudo mais poderoso do que estudar um conteúdo novamente”.

Ainda segundo Bjork, quando geramos informações a partir de nossas memórias, tornamos a informação recuperada muito mais fácil de ser relembrada no futuro. O ato de recuperar é poderoso no aprendizado, consideravelmente mais poderoso do que estudar as informações novamente. “Precisamos ser agentes ativos no processo de aprendizagem, não aparelhos gravadores passivos”, ressalta o pesquisador.

E como podemos ser agente ativo nesse processo? Como podemos atuar para relacionar as informações novas com o que já sabemos? Como recuperar memórias? Antes de mais nada, não adianta utilizar as mais adequadas técnicas, ter os melhores materiais, sentar para estudar se você não estiver concentrado. Inclusive já falamos em outro artigo sobre 6 DICAS DE COMO SE CONCENTRAR NOS ESTUDOS. Vale a pena conferir!

Além disso, é preciso se conhecer. Para alguns, os métodos comuns de anotar tudo que o professor ministra em aula, ler o texto, sublinhar e revisar fazendo questões ou fazendo releitura do assunto já torna o processo de aprendizagem eficaz. Já para outros, que é a maioria dos casos, é necessário que o estudo vá muito mais além do usual. É muito comum você fazer tudo isso e, alguns minutos depois ou poucos dias, não lembrar mais. Imagina quando chegar o dia da prova!

Em entrevista ao Jornal Zero Hora, o professor John Dunlosky, do Departamento de Psicologia da Kent State University, e outros pesquisadores das universidades Duke, Wisconsin-Madison e da Virgínia, nos EUA, concluíram que muitas das práticas mais comuns, como sublinhar e organizar palavras-chave, não trazem benefícios significativos para uma aprendizagem duradoura.

“Eu não tiraria os marcadores de texto dos estudantes, mas diria para que os usassem de maneira diferente. Não basta sublinhar e ponto. É necessário voltar às marcações e estudá-las usando estratégias eficazes, como testes práticos e estudo distribuído. As melhores técnicas não são mais difíceis de aplicar, embora demandem uma agenda bem organizada para distribuir as sessões de estudo ao longo do ano”, destacou Dunlosky na entrevista.

E é exatamente sobre isso nosso papo de hoje. Vamos mostrar para você um estudo além do usual, dando algumas dicas de técnicas de memorização que vão ajudá-los a apreender melhor o que estudaram, a armazenar as informações na memória por meio da relação com o que já sabe, além, claro, de otimizar seu tempo de preparação.

#DICA 1 – RESUMOS

“Ah, mas isso eu faço, sei fazer”. Será mesmo?! Resumo não é transcrever partes do texto que você leu. Fazer resumo é colocar, de forma curta, bem resumida mesmo e com suas próprias palavras, o que você entendeu sobre o assunto. 

Essa técnica é eficaz na medida em que você lê, compreende e depois simplifica toda a informação adquirida por meio de sua compreensão. Pode ser feito escrevendo ou por meio de mapas mentais. 

No entanto, convém destacar que, para que o resumo seja ainda mais eficaz, é necessário que ele seja lido periodicamente.

#DICA 2 – ASSOCIAÇÃO COM A PRÁTICA

Um exemplo atual muito bom para explicar essa técnica é o processo de impeachment. Muitos de nós só sabiam na teoria como eram os trâmites de destituição de um Presidente da República, afinal, após a consolidação da democracia e a promulgação da CF de 88, o impeachment só havia ocorrido em 1992, na Era Collor, época em que muitos que estão nos estudos para concursos ainda eram crianças.

Agora, ao estudar os artigos em que falam de crimes de responsabilidade, bem como de como se dá o processo de impeachment, conseguimos assimilar muito bem o assunto, inclusive tecer comentários, explicar, já que neste ano vivenciamos como ocorre tudo isso na prática.

Crie ligações que vão ajudar a lembrar do assunto no futuro, a partir de uma associação com o que você já sabe ou a situações práticas. Maior será o aprendizado quando conseguimos explicar a forma pela qual o que aprendemos se relaciona com a prática.

#DICA 3 – INVENTE ENREDOS

Tudo o que é inusitado, que foge da normalidade, conseguimos lembrar facilmente. Isso é em tudo na vida. Por isso, durante o momento do estudo, identifique as palavras, os tópicos mais importantes no assunto e invente um enredo maluco, bem absurdo em cima dele.

Por exemplo, no UFC de Informática, o HUB e o SWITCH eram os principais adversários no card principal. Muito parecidos, a luta parecia que ia ser dura. Entre cabos e mais cabos concentrados, o SWITCH soube utilizar bem seus pacotes de esquerda e direita, destinando de forma certeira cada golpe enviado. Assim saiu vencedor, já que o HUB não agiu de forma estratégica e enviou seus pacotes de golpes de forma aleatória.

Deu para relembrar um pouco sobre equipamentos usados em redes de computadores? Creio que depois dessa história meio mirabolante você não esquecerá que o HUB é um equipamento concentrador de cabos, mas não sabe ler os pacotes que passam por ele. Recebe os sinais elétricos e os envia a todos os outros micros. Já o SWITCH, que é similar ao HUB, sabe ler o pacote de mensagem que entra em sua porta e destina-o diretamente ao computador que deve receber.

#DICA 4 – MNEMÔNICOS

Quem não conhece o famoso LIMPE? Isso mesmo, sigla com as iniciais dos princípios administrativos (os expressos), que são Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência.

Com os mnemônicos, por meio de construção de siglas, você consegue memorizar determinado assunto, aquele mais simples, bem “decoreba”, que não exige maiores explicações, mas que são tão importantes quanto.

Um outro exemplo para entender melhor essa técnica é que o servidor em estágio probatório não pode abrir a MATRACA. Como assim?! Esse servidor não pode opinar em nada? Não tem poder de decisão? Não é isso. Enquanto estiver em estágio probatório, ele não pode pedir licença para:

MAndato classista

TRAtar de assuntos particulares

CApacitação profissional

E então, agora lembrou a resposta para a pergunta do início deste artigo? São muitos termos, princípios, fundamentos, leis, destaques. Por isso, faça uso de siglas para que consiga lembrar facilmente de todos eles.

#DICA 5 – DÊ AULA

Dar aula?! Isso mesmo! Explique para uma parede, para seu pai, sua mãe, seu cachorro, gato, para o espelho tudo o que você aprendeu do assunto. Faça isso como se tivesse dando uma aula. Explique em voz alta aquilo que você acabou de estudar, como se tivesse explicando para outra pessoa.

De acordo com a pirâmide do aprendizado desenvolvida pelo psiquiatra norte-americano, William Glasser, 95% do que aprendemos vem quando ensinamos aos outros. Quando explicamos o que acabamos de aprender, o conteúdo é gravado por mais tempo na memória de médio prazo. Por isso, que tal experimentar seus dotes como professor?

#DICA 6 – FAÇA EXERCÍCIOS

Essa é uma das melhores formas de memorizar o que estudou. Praticamente tudo que fazemos exige treino, prática, repetição.Ao resolver questões conseguimos fazer com que o nosso cérebro recorde o que foi estudado, as informações ficarão armazenadas em local de fácil acesso, ajudando a criar a memória de longo prazo. Também de acordo com a pirâmide de aprendizado de William Glasser, 80% do que estudamos vem quando praticamos. Muita coisa, não é mesmo!

Por isso, resolva o maior número de questões possíveis e intercale exercícios entre uma teoria e outra, entre uma videoaula e outra. Assim que terminar a teoria de determinado assunto, resolva questões comentadas, por exemplo, para fixar o que acabou de aprender. Em outro momento, uma semana depois, por exemplo, resolva novamente questões desse assunto, dessa vez não mais comentas, para saber o que realmente aprendeu e o que precisa ser revisto. Paralelamente, reserve um dia na semana para resolver simulados e provas anteriores, para que seu cérebro já entre contato com a resolução de diversas matérias ao mesmo tempo.

Por falar nesse tópico, já escrevemos um artigo com UM GUIA COMPLETO SOBRE QUESTÕES DE CONCURSOS e também 9 DICAS COMO ESTUDAR POR SIMULADOS. Vale a pena conferir!

#DICA 7 – GERE RESPOSTAS

Quando você se questionar sobre determinado assunto, o porquê disso e daquilo, e não souber a resposta, gere uma solução antes de ir até a lei, seu livro, de ver a aula com o professor para saber qual é. Raciocine e tente obter suas próprias respostas sobre o conteúdo. Alguns autores afirmam que quando tentamos resolver com nosso próprio conhecimento algo desconhecido, com nossas próprias ideias, palavras, há uma chance maior de aprender e lembrar da solução do que quando já obtemos a resposta pronta.

É, como vimos, estudar para concurso é um enorme desafio e que exige, além de foco e dedicação, que sejamos bem criativos, lógicos. Mais do que estudar bastante, é preciso saber estudar. E uma boa forma de estudar está também em utilizar estratégias e técnicas que tornam o estudo mais eficiente e eficaz, tais como a que apresentamos neste artigo. Claro que o aprendizado do conteúdo vai da forma que você se adequa melhor, mas que tal testar essas dicas sobre técnicas que mostramos para você? Depois nos conte os seus resultados que, certamente, serão bons!

Abraços e bons estudos!!!

Veja também

Deixe seu comentário